Atenção! Você está utilizando o Internet Explorer em uma versão desatualizada, que compromete a navegação no site do NESA. Faça a atualização do seu navegador, ou utilize outro, como o Mozilla Firefox, o Google Chrome, ou o Opera (entre outros).


Ambulatórios

Alergia

A maioria da clientela que procura o ambulatório de alergia do NESA tem doenças como asma, rinite alérgica e urticárias. Testes alérgicos e a aplicação gratuita das vacinas são realizados nesse ambulatório. O encaminhamento é mais freqüente por demanda externa. Quando necessário os casos são referidos para avaliação pela otorrinolaringologia e pneumologia.

Atualmente a equipe está desenvolvendo pesquisa para definição do perfil dos casos atendidos. Também está em andamento estudo na área de epidemiologia, focando os aspectos dos distúrbios psíquicos do adolescente portador de asma.

Responsável: Kátia Telles Nogueira - médica

Cardiologia

Os pacientes que procuram o ambulatório de portadores de HIV já estão doentes, fizeram o exame de sangue e o resultado deu HIV positivo ou são filhos de pacientes soropositivos. Esses últimos podem ser assintomáticos ou não. O paciente assintomático inspira cuidados pelo fato de precisar ser convencido a estar sob constante vigilância para não colocar em risco as pessoas com quem se relacione. Às vezes precisa de medicação, dependendo de suas condições.

Em algumas situações, a anamnese com o paciente que procura esse ambulatório é feita aos poucos, pois geralmente o jovem vai acompanhado pelos pais ou responsáveis e certas particularidades devem ser resguardadas. Conforme a família do adolescente estabelece uma relação de maior confiança com o médico, o jovem passa a consultá-lo particularmente, possibilitando ao profissional o aprofundamento da conduta no tratamento. As áreas com as quais esse ambulatório mais se relaciona são as de enfermagem, serviço social e psicologia

Responsável: Nádia Barreto Tenório Aoun - médica

Cirurgia de adolescentes

A disciplina de cirurgia pediátrica é a responsável pelo tratamento cirúrgico de adolescentes do HUPE/UERJ há quinze anos. No ambulatório presta atendimento em três turnos semanais. Quando necessário, a equipe realiza procedimentos cirúrgicos e acompanhamento pós-operatório na enfermaria do NESA.

Dentre os procedimentos mais freqüentes pode-se citar os tratamentos cirúrgicos com vídeolaparoscopia, laparotomias, colocação de cateteres para quimioterapia ou diálise peritonial, cirurgia ambulatorial, entre outros.

A demanda da cirurgia de adolescentes é interna, do próprio NESA, e de outras unidades da rede pública de saúde. Quanto ao treinamento trabalha, atualmente, com residentes de cirurgia pediátrica e profissional de pós-graduação em cirurgia geral.

Responsáveis: Carlos Benigno Moreno Garcete - médico

Paulo Barroso Tavares - médico

Clínica Médica

O ambulatório de clínica médica da atenção secundária do NESA realiza atendimentos de pacientes do Município do Rio de Janeiro por demanda espontânea, demanda interna do próprio NESA e de outras unidades públicas de saúde. O adolescente recebe atendimento integral pela equipe multidisciplinar composta por médicos, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais e outros profissionais de saúde.

Entre os problemas mais freqüentes destacam-se a baixa estatura e o atraso puberal, os vícios de refração, as cefaléias (principalmente as enxaquecas e cefaléias tensionais), as dores osteomioarticulares de diferentes etiologias, os distúrbios menstruais, as infecções das vias aéreas superiores e inferiores, os problemas dermatológicos.

Além desses, também sobressaem as dificuldades escolares, os transtornos da imagem corporal e os distúrbios afetivos e de comportamento, que necessitam de um atendimento integrado com o serviço social e psicologia para sua resolução.

Quanto ao treinamento, a clínica médica possui, atualmente, residentes de medicina de adolescentes, pediatria, medicina geral e comunitária e alunos de graduação. Recebe profissionais de outros serviços públicos de saúde para capacitação em serviço.

Equipe médica: Celise Meneses

Cláudia Braga

Cláudio Abuassi

Eloísa Grossman

Evelyn Eisenstein

Kátia Nogueira

Clinisex

O ambulatório de Clinisex não visa somente o diagnóstico e tratamento das doenças, mas também orientar a clientela de forma abrangente sobre sexualidade e saúde reprodutiva.

Cerca de 90% dos adolescentes chegam com enfermidades como gonorréia, sífilis, condilomatose e vulvovaginites. Se o diagnóstico incluir a presença de AIDS os adolescentes são encaminhados ao ambulatório específico.

A demanda atendida é espontânea,referida de outros ambulatórios do NESA ou do Programa de Orientação em Sexualidade, Prevenção de DST/AIDS e Distribuição de Preservativos Masculinos e Femininos.

Responsáveis: Marília Mello de Vilhena - psicóloga

Rejane Araújo de Sousa - enfermeira

Stella R. Taquette - médica

Desenvolvimento e Crescimento

O objetivo desse ambulatório é prestar assistência integral ao adolescente com variações normais e distúrbios do processo de crescimento e desenvolvimento. Merecem destaque os adolescentes com desnutrição/obesidade, baixa/alta estatura e atraso puberal.

O trabalho é desenvolvido por equipe multidisciplinar formada por médica, assistente social, psicóloga e nutricionista.

O ambulatório também atua na realização de pesquisas clínicas e treinamento nos níveis de graduação e aperfeiçoamento profissional.

Responsável: Evelyn Eisenstein- médica

ELOSS - Espaço Livre de Orientação em Sexualidade e Saúde

O Espaço Livre de Orientação em Sexualidade e Saúde (ELOSS) é um programa da Atenção Primária do NESA, criado para atender adolescentes e profissionais de saúde e educação que tenham interesse em aprofundar seus conhecimentos, esclarecer dúvidas ou realizar trabalhos voltados para a saúde do adolescente.

O ELOSS possui um acervo de materiais educativos, que contém: vídeos, livros, cartilhas, folhetos, cartazes, jogos e modelos do sistema reprodutor masculino e feminino.

Esses materiais estão disponíveis para serem consultados, emprestados ou doados.

O Programa oferece, também, curso de capacitação para profissionais que lidam com adolescentes e promotores de saúde, cujo objetivo é formar multiplicadores em saúde do adolescente.

Responsáveis: Dulce Maria Fausto de Castro – psicóloga

Luiza Maria Figueira Cromack – médica

Regina Abramovitch Katz - médica

Endocrinologia

No ambulatório de endocrinologia do NESA as principais queixas dos adolescentes são de irregularidades menstruais nas meninas e atraso puberal nos meninos. Os distúrbios de tireóide e outras glândulas também são freqüentes. Participa, ainda, da avaliação hormonal e metabólica dos pacientes atendidos no ambulatório de nefrologia. Obesidade é outro quadro clínico tratado por esse ambulatório.

A freqüência dos problemas hormonais de puberdade, o uso de anticoncepcionais, distúrbios hormonais ligados a algumas doenças e o uso de medicações específicas dessa faixa etária levou uma equipe de médicos do NESA a criar um novo ambulatório - já em funcionamento chamado de endocrinologia ginecológica, visto que as especialidades se relacionam diretamente.

A endocrinologia desenvolve pesquisas clínicas. Quanto às atividades de treinamento recebe residentes internos e de medicina de adolescentes.

Responsáveis: Cláudia Braga Monteiro Abadesso Cardoso – médica
Isabel Bouzas - médica

Enfermagem Ambulatorial

As ações de cuidado da equipe de enfermagem no ambulatório da atenção secundária do NESA são desenvolvidas no Pavilhão Floriano Stoffel, anexo ao HUPE, e têm como objetivo a redução da morbidade e a prevenção de danos causados por doenças, visando a promoção da saúde.

As estratégias para o desenvolvimento de nosso cuidar envolvem: desenvolvimento de atividades compreendendo a ratificação dos princípios constitucionais, das diretrizes do SUS e das políticas de saúde direcionadas ao adolescente; atividades destinadas às ações de educação em saúde, voltadas para a intensificação das práticas educativas com a participação dos usuários e da comunidade; desenvolvimento de recursos humanos, mediante apoio à capacitação de pessoal para execução de todas as atividades; articulação ensino-serviço na área da saúde, apoio à realização de cursos de atualização e outros treinamentos para a equipe de enfermagem, incentivo à pesquisa que subsidie a incorporação de novas tecnologias.

Para a consecução desses objetivos, nossas ações visam o atendimento da demanda espontânea, com prioridade para os adolescentes sintomáticos. Para o atendimento de 1ª vez, utilizamos como ferramenta/estratégia a guia de referência do SUS.

As atividades desenvolvidas pela equipe de enfermagem contemplam:

Acolhimento do adolescente e seu familiar
Consulta de enfermagem aos adolescentes portadores de patologias crônicas, como reumatológicas, cardiopatas, hipertensas, pré-natal das adolescentes que se encontram na faixa etária de 10 a 14 anos
Agendamento de consultas
Administração de medicamentos
Atividades de organização do ambulatório
Visitas domiciliárias
Salas de espera
Dinâmicas de grupo
Responsáveis: Inez Silva de Almeida - enfermeira
Rejane Araújo de Souza - enfermeira

Fisioterapia

Os principais problemas assistidos no ambulatório de fisioterapia são as alterações posturais como hipercifose, escoliose e lombalgia. As chamadas escolioses estruturais, de caráter mais grave, também são acompanhadas no serviço. A clínica reumatológica refere, principalmente, pacientes com artrite reumatóide juvenil. A clínica de alergia encaminha pacientes asmáticos e respiradores bucais, grupos esses que se beneficiam muito com a fisioterapia respiratória associada ao tratamento postural preventivo e curativo.

Também são acompanhados nesse ambulatório portadores de distúrbios de crescimento; adolescentes em recuperação funcional pós-fraturas, pós-operatórios ortopédicos e com lesões de joelho por diversas causas; portadores de encefalopatias crônicas; pós traumatizados de crânio e adolescentes com seqüelas de lesões musculares. Ocasionalmente, a fisioterapia atende pacientes portadores de fibrose cística.

Os encaminhamentos são efetuados por diversas especialidades clínicas do ambulatório do NESA e da enfermaria de adolescentes, pós-alta hospitalar.

Responsável: José da Rocha - fisioterapeuta

Fonoaudiologia

O Setor de Fonoaudiologia do NESA-UERJ realiza atividades de assistência, extensão, pesquisa e treinamento.

A prática assistencial é desenvolvida no Pavilhão Floriano Stoffel, por caracterizar-se como ação de atenção secundária à saúde, consistindo em orientações, avaliações, encaminhamentos e tratamento a adolescentes portadores de queixas nas áreas de voz, audição, motricidade oral, além de linguagem oral ou escrita.

Nas ações extensionistas, a equipe realiza atividades educativas através de oficinas, jogos e dinâmica de grupo, objetivando a prevenção dos distúrbios fonoaudiológicos e a promoção da saúde. Atualmente o setor coordena as ações desenvolvidas em escolas.

A equipe de fonoaudiólogos desenvolve pesquisas no ambulatório, em escolas da região e em comunidades próximas, com uma atenção especial ao desenvolvimento de novas metodologias de intervenção.

O setor trabalha com formação e treinamento de fonoaudiólogos através das modalidades treinamento profissional, residência em Fonoaudiologia e estágio para graduandos e conta, ainda, com alunos dos cursos de medicina, odontologia, enfermagem e nutrição, através de programas e projetos de extensão.
Eqipe responsáveis: Adriana da Silva Mello - fonoaudióloga
Margareth Attianezi – fonoaudióloga

Ginecologia

As atividades do ambulatório de ginecologia do NESA incluem o atendimento ginecológico e obstétrico, além de prestar assistência a adolescentes com problemas ginecológicos de causa endócrina.

No atendimento ginecológico os objetivos são as orientações de cuidados sobre a higiene pessoal, prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças próprias da adolescência. Procura-se ainda enfatizar a orientação quanto à anticoncepção para adolescentes que desejam iniciar ou já iniciaram atividade sexual, e cuidados para prevenção das infecções sexualmente transmissíveis.

As adolescentes chegam ao ambulatório por demanda espontânea ou encaminhadas por hospitais ou postos de saúde. A demanda também é referida de outros ambulatórios do NESA como clínica médica, nefrologia, reumatologia, cardiologia e outros. Muitas pacientes são portadoras de doenças crônicas e necessitam de orientação e tratamento específicos.

As adolescentes com patologias cirúrgicas ginecológicas são internadas na enfermaria do NESA, que funciona no HUPE, e submetidas ao tratamento cirúrgico pela equipe ginecológica, com suporte clínico da enfermaria.

Em obstetrícia destacam-se as atividades de assistência à gestante na faixa etária até os 14 anos de idade, e à mãe adolescente, que continua em acompanhamento no serviço até os 20 anos. Como a gravidez nesse grupo coincide com os primeiros anos da puberdade, avaliam-se criteriosamente os riscos e possíveis conseqüências da gravidez, procurando-se evitar complicações tanto biológicas, quanto psicossociais.

No ambulatório de endocrinologia ginecológica são realizados trabalhos de assistência e pesquisa.

Responsáveis: Cláudia Braga Monteiro Abadesso Cardoso – médica
Isabel Bouzas - médica
Josele Rodrigues de Freitas - médica


Hiperpapo - Programa de Assistência e Prevenção das Doenças Cardiovasculares e Metabólicas na Adolescência

Trata-se do programa de assistência e prevenção das doenças cardiovasculares e metabólicas na adolescência.

A assistência é feita no ambulatório do NESA, uma vez por semana, quando os adolescentes e seus familiares participam de atividades de grupo e recebem atendimento individual. A demanda de adolescentes é referência da rede pública de saúde e do próprio NESA. A equipe é composta por médicos, enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais, psicólogos e fisioterapeutas.

Responsáveis: Maria Cristina C. Kuschnir – médica
Mariângela Giana de Abreu Gonzaga Ribeiro – nutricionista
Rejane Araújo de Souza - enfermeira


Nefrologia

O ambulatório de nefrologia objetiva o atendimento integral de adolescentes portadores de doença renal aguda ou crônica antes da utilização de terapias de substituição (diálise) e transplante.

Dentre as doenças prevalentes no ambulatório, destacam-se as glomerulopatias agudas e crônicas, as más- formações congênitas renais e de vias urinárias, as infecções urinárias de repetição, as litíases renais e de vias urinárias e a insuficiência renal crônica por diversas etiologias.

Além de assistência, a equipe desenvolve pesquisas clínicas e atividades de ensino, recebendo alunos de graduação e residentes.

O ambulatório de nefrologia é referência para a rede pública de atenção à saúde - unidades básicas, serviços de pronto-atendimento e emergências e para os serviços de nefrologia pediátrica quando os pacientes ultrapassam a idade de 12 anos.

Responsáveis: Eloísa Grossman - médica
Paulo Roberto Faraco - médico


Nutrição

O setor de Nutrição (ambulatório) é responsável pelo atendimento ambulatorial aos pacientes em acompanhamento clínico na Atenção Secundária que necessitem de orientação nutricional, integrando o conjunto de especialidades da equipe multidisciplinar. Participa também no atendimento de todos os programas do NESA (Hiperpapo, Pré-natal, Crescimento e Desenvolvimento, Nefrologia, Caras e Bocas, entre outros).

Erros na alimentação são a causa dos maiores problemas dos pacientes, podendo levar à obesidade e baixo peso.

Quanto ao treinamento de recursos humanos, trabalha com residentes, internos, bolsistas (Estágio Interno Complementar) e mestrandos. Atua também em pesquisa, cursos de Educação à Distância, publicações e congressos.

Responsável: Mariângela Giana de Abreu Gonzaga Ribeiro - nutricionista


Odontologia

Cáries, gengivites, maloclusões e respiração bucal são os principais problemas de saúde atendidos no ambulatório de odontologia. A maioria dos pacientes é encaminhada através de solicitação interna e a partir da detecção da necessidade de atendimento odontológico em consultas anteriores realizadas no próprio NESA

A multidisciplinaridade é a razão da ligação da odontologia com o Programa Caras e Bocas, pois grande parte dos atendimentos na adolescência estão relacionados com a saúde oral, ou seja: respiração bucal, infecções de garganta, problemas de glândulas salivares e voz, alterações auditivas.

Algumas atividades se destacam na odontologia como a investigação de pesquisas clínicas do índice de CPOD (dentes careados, perdidos e obturados) e IHOS (índice de higiene oral simplificado) em pacientes de primeira consulta, a produção de material educativo e o treinamento de recursos humanos.

Quanto ao treinamento, encontram-se atualmente na odontologia estudantes de estágio interno complementar das áreas de odontologia e enfermagem; alunos de extensão das áreas de odontologia, enfermagem, nutrição e medicina; residentes em medicina de adolescentes.

A odontologia vem participando do Curso de Atenção à Saúde Integral de Adolescentes e Jovens via internet, e na capacitação de equipes da Atenção Básica de Saúde, utilizando a metodologia de auto-aprendizagem em saúde de adolescentes e jovens.

Responsáveis: Célia Regina de J. C. Mathias - cirurgiã-dentista
Mario E. Maiztegui Antunez - cirurgião-dentista


Otorrinolaringologia

O setor de Otorrinolaringologia do NESA-UERJ é responsável pelo atendimento a adolescentes em atenção secundária. Merece destaque o diagnóstico e tratamento de patologias crônicas, distúrbios auditivos e da voz, muitos necessitando de intervenções cirúrgicas realizadas no Hospital Universitário Pedro Ernesto.

Visa o atendimento integral aos adolescentes através de um enfoque interdisciplinar, principalmente com a Fonoaudiologia e Odontologia que, juntamente com a Nutrição, integram a equipe do Programa Caras & Bocas – Saúde Oral para Adolescentes.

Quanto ao treinamento, o setor inclui, em seu rodízio, residentes do NESA da área de Medicina de Adolescentes, além de alunos do Programa Caras & Bocas. Participa também de pesquisas, cursos de educação à distância, publicações e congressos.
Responsáveis: Márcia Lourdes Calixto Mendes – médica, otorrinolaringologista
Teresa Cristina dos Reis Carvalho Quaglia – médica, otorrinolaringologista


Portadores de HIV

Os pacientes que procuram o ambulatório de portadores de HIV já estão doentes, fizeram o exame de sangue e o resultado deu HIV positivo ou são filhos de pacientes soropositivos. Esses últimos podem ser assintomáticos ou não. O paciente assintomático inspira cuidados pelo fato de precisar ser convencido a estar sob constante vigilância para não colocar em risco as pessoas com quem se relacione. Às vezes precisa de medicação, dependendo de suas condições.

Em algumas situações, a anamnese com o paciente que procura esse ambulatório é feita aos poucos, pois geralmente o jovem vai acompanhado pelos pais ou responsáveis e certas particularidades devem ser resguardadas. Conforme a família do adolescente estabelece uma relação de maior confiança com o médico, o jovem passa a consultá-lo particularmente, possibilitando ao profissional o aprofundamento da conduta no tratamento. As áreas com as quais esse ambulatório mais se relaciona são as de enfermagem, serviço social e psicologia

Responsável: Eduardo Pozzobon - médico


PROSS - Programa de Orientação em Sexualidade, Prevenção de DST e Distribuição de Preservativo

Desde 1994, a equipe do NESA desenvolve, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde, o Programa de Orientação em Sexualidade, Prevenção de DST e Distribuição de Preservativos.

O programa tem como objetivo a troca de informações sobre sexualidade com adolescentes e a garantia do acesso aos preservativos masculinos e femininos.

Vale ressaltar que o programa foi pioneiro na distribuição sistemática de preservativos masculinos para adolescentes e é o único serviço público que possibilita o acesso das jovens ao preservativo feminino.

Responsáveis: Dulce Maria Fausto de Castro – psicóloga
Luiza Maria Figueira Cromack – médica
Regina Abramovitch Katz - médica


Reumatologia

O ambulatório de reumatologia do NESA é dos poucos no Brasil a prestar assistência aos adolescentes portadores de doenças reumáticas e queixas músculo-esqueléticas num ambiente próprio e exclusivo.

As queixas associadas ao sistema músculo- esquelético são das principais causas de procura dos adolescentes ao ambulatório do NESA. Entre os problemas encontrados nesse segmento citam-se os reumatológicos, ortopédicos, infecciosos, hematológicos e condições fisiológicas (ex: hipermobilidade articular).

Além da consulta clínica, no ambulatório são administrados medicamentos parenterais prescritos, o que contribui para adesão ao tratamento. Dentre as doenças reumáticas tem relevância a artrite idiopática juvenil e o lúpus eritematoso sistêmico.

Os pacientes do ambulatório de reumatologia são encaminhados de outras especialidades do NESA e unidades de saúde (rede pública).

Em relação às pesquisas, a equipe está atualmente participando de estudos multicêntricos na área específica de atuação.

Responsável: Flávio Sztajnbok - médico


Saúde do Trabalhador Adolescente

No ambulatório de saúde do trabalhador adolescente as ações de assistência são realizadas pela equipe multidisciplinar do programa de mesmo nome, além de contar com o apoio técnico dos demais profissionais de saúde do NESA. O ambulatório funciona um turno por semana atendendo na Policlínica Piquet Carneiro. A maior parte são trabalhadores urbanos do setor terciário (serviços) ou

secundário (empresas) exercendo atividades da área administrativa.

Nesse universo os principais agravos à saúde identificados são: infecções respiratórias, fadigas ocupacionais e as referentes à acuidade visual.

Responsáveis: Carmem Fróes – médica
Carmem Maria Raimundo - assistente social
Suyanna Linhales Barker - psicóloga


Saúde Mental

No ambulatório de saúde mental do NESA trabalham uma psiquiatra e quatro psicólogas, sendo a psicanálise o principal eixo teórico que norteia a prática clínica. Os casos atendidos são muito variados e são encaminhados prioritariamente dos profissionais de diferentes especialidades do próprio NESA. Entre esses casos estão adolescentes com desequilíbrios emocionais gerados por problemas familiares e escolares. Citam-se também casos de obesidade, anorexia nervosa,

enurese noturna, abusos sexuais, depressão - por vezes com tentativa de suicídio - e fobias.

A equipe atua também na enfermaria de adolescentes do Hospital Universitário Pedro Ernesto através da supervisão de estagiários e residentes de psicologia, participando de reuniões e interconsultas.

Além de desenvolver pesquisas clínicas, a equipe de saúde mental participa de treinamentos recebendo estudantes de estágio interno, residentes de psicologia e profissionais já formados do Estado do Rio de Janeiro, de outros estados do Brasil e do exterior.

Equipe: Dulce Maria Fausto de Castro - psicóloga
Marília Mello de Vilhena- psicóloga
Selma Correa Silva – psicóloga
Simone Pencak – médica
Suyanna Linhales Barker – psicóloga
Vera Maria Pollo Flores - psicóloga


Urologia

No ambulatório de urologia do NESA os casos mais comuns na adolescência são os de varicocele, fimose, infecção urinária, DST (doença sexualmente transmissível), cálculo renal e incontinência urinária. A maior demanda é interna, referida da clínica médica, no entanto, recebe também de outras unidades de saúde da rede pública.

Além de desenvolver pesquisas clínicas, a equipe do ambulatório de urologia participa de treinamentos recebendo residente dessa especialidade e estagiários de cirurgia pediátrica e de urologia pediátrica.

Responsáveis: Jaime Toledo – médico
Luciano Alves Favorito - médico